Testes MotoGP Buriram: à descoberta de um novo circuito

Os pilotos iniciaram mais três dias de testes de pré-temporada com a visita a um novo circuito para o campeonato: Chang International Circuit, em Buriram, na Tailândia. Cal Crusthlow foi o mais rápido no primeiro dia.

116
Cal Crutchlow

Depois dos testes de Sepang nos últimos dias de Janeiro, os pilotos de MotoGP voltaram à actividade para mais três dias de testes de pré-temporada. Desta vez visitaram o Circuito Internacional Chang, em Buriram, na Tailândia, que pela primeira vez este ano vai receber um grande prémio, no dia 7 de Outubro.

Esta foi uma primeira visita dos pilotos do Mundial de Velocidade ao circuito tailandês, que fica a cerca de 400 km de Banguecoque, e que recebe o Mundial de Superbike desde 2015. Assim podem fazer-se algumas comparações: logo no primeiro dia os pilotos de MotoGP rodaram mais de 2 segundos mais rápido do que o recorde das superbike, logo no primeiro dia.

Com temperaturas elevadas – a chegar aos 35°C e o asfalto aos 50°C – mas menos húmidade do que esperavam, assim que chegaram ao circuito um par de dias antes os pilotos foram conhecer o traçado, a pé e de scooter, depois de ter vistos vários vídeos das corridas de superbike.

Muitos comparam o circuito tailandês ao Red Bull Ring, em Spielberg – palco do GP da Áustria – mas sem as subidas e descidas.

Com o desconhecimento do circuito a ser um obstáculo a ultrapassar no primeiro dia, fo Cal Crutchlow quem registou o melhor tempo. O piloto britânico realizou a sua mlehor volta já na última hora de testes, depois de Marc Marquez ter liderado a tabela de tempos, num primeiro dia em que a suspresa foi Alex Rins: o piloto da Suzuki terminou o dia com o 2.º melhor tempo, relegando o campeão do mundo para o 3.º lugar.

Todas as equipas oficiais tiveram novos componentes para testar, mas algo comum a todas foram os pneus Michelin, com a marca francesa a trazer várias alternativas para a frente e para trás para os pilotos testarem. Os dados recolhidos pela empresa francesa serão importantes, na medida em que este é também um novo circuito para a Michelin.

Andrea Dovizioso foi o mais rápido dos pilotos Ducati, com o 4.º melhor tempo; Dovi e Jorge Lorenzo testaram uma nova solução aerodinâmica na suas Ducati, uma variação da usada no ano passado.

Dani Pedrosa realizou o 5.º melhor tempo na frente dos dois pilotos da Alma Pramac, Danilo Petrucci e Jack Miller.

Valentino Rossi celebrou hoje o seu 39.º aniversário, mas o resultado no final do dia não foi um grande presente: foi apenas 8.º num circuito que afinal não é tão mau quanto a ideia com que tinha ficado quando o visitou em 2015 num evento da Yamaha, aos comandos de uma YZF-R3. O veterano piloto italiano queixou-se de dificuldades com a electrónica em aceleração e parece ter voltado às (más) sensações de 2017.

Com Maverick Viñales em 11.º as coisas parecem não estar a correr de feição à Yamaha, com o espanhol a confessar que parecem ter siguido numa direcção totalmente errada no desenvolvimento.

Mas este foi apenas o primeiro dia, com toda a gente a ambientar-se primeiro ao circuito, antes de começar a trabalhar mais afincadamente nas motos.

Takaaki Nakagami voltou a ser o melhor rookie, com o 17.º tempo, enquanto que o estreante Hafizh Syahrin – recrutado para o lugar de Jonas Folger – para já apenas para estes testes, que poderão ser também um teste de admissão para ‘El Pescao’ para um trabalho a tempo inteiro na Tech 3, ficou em 24.º e último nesta sua estreia em MotoGP, mas a menos de 3 s do melhor tempo do dia.

1. Cal Crutchlow – LCR Honda Castrol (70 voltas, 1’30.979)

«É bom chegar finalmente pilotar no circuito de Buriram, e foi muito bom ver tanta gente a vir assistir aos testes. Conseguimos aprender bem o circuito, e tal como dissemos nos testes anteriores, a Honda realizou um excelente trabalho este Inverno. Sinto-me muito bem na moto neste momento. A sensação fundamental é a mesma do ano passado, mas temos outros pontos positivos em comparação com o ano passado. Estou ansioso por continuar a trabalhar e a testar muito durante os próximos dois dias. Hoje não me sentia muito bem, e embora normalmente não sofra de jet lag, na noite passada tive dificuldades e só adormeci às cinco da manhã e dormi apenas duas horas antes de vir para a pista. Não me senti muito bem o dia inteiro. Temos que ver se consigo melhorar isso amanhã, espero poder dormir bem esta noite e regressar para outro bom dia de trabalho com a LCR Honda Castrol.»

Cal Crutchlow
2. Alex Rins – Team Suzuki Ecstar (70 voltas, 1’30.809)

«Esta é uma pista nova para toda a gente, mas desde o início percebi-a bem e desfrutei deste circuito. Não fizemos muitas coisas hoje, mantivemo-nos apenas concentrados na afinação da moto. Tivemos um bom primeiro dia, e amanhã experimentaremos coisas novas e espero continuar do melhor modo. A chave aqui é a consistência e um bom ritmo e este traçado adequa-se à Suzuki.»

Alex Rins
3. Marc Marquez – Repsol Honda Team (78 voltas, 1’30.912)

«Estou muito contente com o moto como começámos estes testes em Buriram. Senti-me bem desde o início, por isso tentei apenas conhecer bem a pista e, quando consegui o ritmo, comecei a testar algumas coisas novas na moto, centrando-me um pouco mais na electrónica. À medida que o dia avançou, muito pilotos colocaram-se na frente, por isso teremos que esperar pelo último dia para perceber o ritmo que cada um tem. Creio amanhã toda a gente melhorará bastante. Quanto ao traçado, ontem pareceu-me mais rápido quando rodei com a scooter; mas hoje, com a minha moto, vi que era mais lento do que pensava, com muitas curvas de segunda e terceira velocidades. Mesmo assim há algumas acelerações e fortes travagens. Provavelmente será complicado gerir a duração dos pneus, pelo que também trabalharemos nisso. Estamos muito contentes com o modo como decorreu este teste.»

Marc Marquez
4. Andrea Dovizioso – Ducati Team (60 voltas, 1’30.945)

«A pista de Buriram é muito estranha e não foi fácil aprender o traçado. Há três curvas que são autênticos ganchos e depois o resto parece ser tudo a direito. É uma pista lenta para a nossa moto, mas é sempre interessante experimentar novos circuitos. Estou contente com as sensações em cima da moto, rodámos bem logo desde o início e depois focámo-nos em diferentes testes, especialmente com as novas carenagens, mas amanhã devemos conseguir feedback mais preciso sobre os novos componentes.»

Andrea Dovizioso
5. Dani Pedrosa – Repsol Honda Team (75 voltas, 1’30.960)

«Creio que correu bem, tendo em conta que o primeiro dia num circuito novo é sempre exigente, porque temos que aprender muito. A pista é bastante estreita, por isso é importante ter uma boa trajectória e manter a velocidade. Trablhámos na busca de um melhor equilíbrio para ser velozes tanto nos sectores rápidos como nos mais sinuosos. A meio do dia perdemos um pouco a direcão a seguire também sofri uma pequena queda quando passei por um resslato na última curva, mas são coisas que podem acontecer quando estás a aprender um circuito novo. À medida que o dia avançou voltámos ao caminho correcto e no final fizemos um bom trabalho. As sensações são positiva e agora analisaremos tudo para estar preparados para amanhã, quando teremos que trabalhar com os pneus e continuar à procura da melhor afinação.»

Dani Pedrosa
6. Danilo Petrucci – Alma Pramac Team (74 voltas, 1’31.003)

«Gostei logo da pista. Estávamos à espera de encontrar um circuito com travagens muito agressivas, mas muitas curvas acabaram por ser rápidas. A moto portou-se muito bem: estamos competitivos. À tarde também trabalhámos na afinação. O bom é que estamos concentrados na moto de 2018 e tudo está a correr bem. Tenho que admitir que está muito calor, mas estamos preparados para aquilo que serão as condições de corrida.»

Danilo Petrucci
7. Jack Miller – Alma Pramac Team (83 voltas, 1’31.044)

«O desenho do traçado é fascinante. Esperava que estivesse mais sujo, especialmente de manhã, mas tive a sensação de boa aderência imediatamente. É uma pista rápida e é bom corrermos aqui. O mais importante é ser paciente e ficar concentrado volta a volta, porque arriscamos subvalorizar as armadilhas. Estou satisfeito com o tempo por volta, mesmo que estejamos muito próximos. Amanhã será um dia muito interessante.»

Jack Miller
8. Valentino Rossi – Movistar Yamaha MotoGP (74 voltas, 1’31.189)

«Nos últimos três ou quatro anos sempre pilotei a minha R1 no meu aniversário. Por um lado é um pouco difícil, porque temos que trabalhar, mas por outro esta é a melhor maneira de passa o meu aniversário, pilotando a M1. Foi um trabalho duro, como sempre, e nesta pista estamos muito próximos. A primeira impressão não é tão má, eu esperava que a pista fosse pior, mas até é boa. Temos que trabalhar muito, especialmente na aceleração.»

Valentino Rossi
9. Andrea Iannone – Team Suzuki Ecstar (78 voltas, 1’31.235)

«Estou muito contente com o dia de hoje. Temos várias afinações disponíveis e estamos a trabalhar para perceber qual é que nos resulta mais confortável. A coisa mais positiva neste momento é que posso ser consistente, especialmente com um pneu usado. De facto fiz a minha melhor volta com um pneu usado. Gostei da pista, é curta mas não tem muitas travagens fortes, que é uma configuração que resulta bem com a nossa GSX-RR. Em pistas como esta onde posso deixar a moto rolar e explorar a velocidade em curva podemos demonstrar o nosso potencial. Hoje também trabalhei muito para dar feedback aos engenheiros, o que é outra parte muito importante dos testes.»

Andrea Iannone
10. Jorge Lorenzo – Ducati Team (64 voltas, 1’31.246)

«Hoje tive algumas dificuldades com a pista e não consegui rodar rápido. Nos próximos dois dias teremos que descobrir uma maneira de melhorar as sensações com a moto, de modo a conseguir puxar realmente forte. No final do dia tentámos o novo conjunto aerodinâmico, mas é muito cedo para tirar conclusões, especialmente porque ainda estamos longe do pontencial que podemos demonstrar neste circuito.»

Jorge Lorenzo
Melhores tempos do primeiro dia