Rossi no GP da Argentina: «Tenho medo quando estou em pista com o Marquez»

Marc Marquez e Valentino Rossi voltaram a colidir, literalmente. O clima voltou a azedar depois do espanhol ter atirado o italiano ao chão na Argentina. Duas das maiores estrelas do campeonato estão de novo de costas voltadas, e Rossi foi muito duro nas palavras sobre o seu rival.

243
GP da Argentina

O GP da Argentina teve excelentes corridas, mas ficará na memória pelos piores motivos. Para além do caos na grelha de partida antes do arranque, o caso do dia foi um novo incidente entre Marc Marquez e Valentino Rossi, que resultou na queda do italiano. Seguiram declarações muito duras de Valentino Rossi sobre o seu arqui-rival.

Mas comecemos pelo princípio: com a grelha já formada e a pouco mais de cinco minutos da partida, toda a gente à excepção de Jack Miller abandonou a grelha. Tinha chovido depois da corrida de Moto2, e Miller foi o único a alinhar logo com slicks. Com a pista a secar, toda a gente saiu da grelha para as boxes para trocar de moto e com uma autêntica multidão acumulada na saída do pit lane, a direcção de corrida decidiu atrasar a partida.

Depois de um longo debate entre a direcção de corrida e os responsáveis da equipa, foi formada uma nova grelha. Apenas Miller conservou o seu lugar, ficaram cinco linhas livres e nas últimas alinharam todos os outros pilotos.

Marc Marquez viu o motor da sua moto calar-se imediatamente antes da partida. Sem ninguém para o ajudar, empurrou a moto, que pegou logo. Um elemento da direcção de corrida pegou-lhe no braço quando ele tentava voltar para trás, mas outro deu-lhe o ok com o polegar para cima. Marquez montou-se na moto e, em sentido contrário, regressou ao seu lugar na grelha.

Marquez penalizado três vezes

Nas primeiras voltas chegou a penalização – por rodar em sentido contrário -, um ride through. O espanhol cumpriu a penalização quando já estava na frente da corrida, e regressou à pista em 19.º. Começou aí a recuperação, mas pelo caminho seria penalizado mais duas vezes: teve que ceder uma posição por ter empurrado Aleix Espargaró quando o ultrapassou e já no final da corrida, sem hipótese de cumprir um ride through, levou 30 s no seu tempo de corrida. Isto por ter empurrado Valentino Rossi quando o tentou ultrapassar. O italiano saiu da trajectória, pisou a relva molhada e caiu.

Marquez levantou logo a mão em jeito de pedido de desculpa, mas a bomba atómica tinha caído de novo.

Quando terminou a corrida foi, acompanhado de Emilio Alzamora e Alberto Puig, à box da Yamaha. O objectivo era pedir desculpa, mas a comitiva foi imediatamente barrada por Uccio Salucci, braço direito e amigo de infância de Valentino Rossi. Foram literalmente corridos dali pelo italiano sem ter oportunidade de chegar à fala com Rossi.

No debriefing habitual com a imprensa no final do dia Valentino Rossi não poupou palavras. Foi um Valentino Rossi sem filtro, que disse o que pensava. No caso de Marc Marquez, cujo debriefing aconteceu depois, o piloto espanhol parece ter chegado preparado para ser bombardeado. Melhor do que explicar o que cada um deles pensa, é deixá-los falar. Em baixo transcrevemos na íntegra as declarações de ambos.

As declarações de Valentino Rossi

Como estás fisicamente, qual é a tua opinião sobre o incidente e qual é o estado da tua relação com Marc Marquez?

A minha relação com o Marc Marquez é o último dos problemas! Estou ok. Isto é uma situação muito má, ele destruiu o nosso desporto porque não tem qualquer respeito pelos seus rivais. Nunca. Se olharmos, por exemplo, para o que aconteceu este fim-de-semana… uma vez pode acontecer, acontece a todos… falhas uma travagem, dás um toque em alguém, acontece, é competição. Mas desde sexta-feira-feira de manhã ele fez isto com o Viñales, com o Dovizioso, comigo no sábado de manhã. E hoje na corrida ele foi direito a quatro pilotos. Ele fez de propósito, não foi um erro. Ele apontou para entre a perna e a moto, porque ele sabe que não cai, mas espera que tu caias.

Se começas a actuar assim elevas o nível para um ponto perigoso, porque se todos os pilotos correrem assim, sem repsetio pelos rivais, isto é muito perigoso e vai acabar mal. Porque ele tem que ser assim, e os outros não? É uma situação perigosa e espero que, foi o que eu disse ao Mike Webb, eles têm uma grande responsabilidade, têm que fazer algo, para que Marquez não se comporte mais assim. No Qatar na primeira curva tocou na perna do Zarco, depois o Doviziso; aqui com o Viñales, hoje comigo. Ele entra nas curvas 20 km/h mais depressa, sem possibilidade de fazer a curva, só para me apanhar de propósito para tentar que eu caísse. Ele é assim. Nas últimas 50 corridas tem sido assim. Mas este ano está pior. Está sempre a tentar assustar-te e a colocar-te fora da pista. É uma situação perigosa. GP da Argentina

«Tenho medo»

Disseste antes que tens paura’, que tens medo. O que achas que deve acontecer, ou que penalizações devem ser impostas em situações destas?

Tenho medo. Tenho medo quando estou em pista com o Marquez. Tenho medo quando vejo o seu nome na minha placa. Porque sei que ele vem à minha procura, sei logo.Tenho que pensar e esperar que não vou cair. Não sou a direcção de corrida, eles é que têm que decidir. Ele destruiu o nosso desporto. Quando rodamos a 300 km/h em pista temos que respeitar os nossos rivais, temos que dar o máximo, mas assim é o fim.

(pergunta imperceptível em italiano)

Sim, estamos nesta situação porque nunca lhe fizeram nada. Se olharmos para o passado – eu sou um grande apaixonado e lembro-me de tudo – o [Jorge] Lorenzo uma vez empurrou o [Dani] Pedrosa e foi manda para casa; o [Loris] Capirossi mandou o [Marcelino] Lucchi para fora de pista em Mugello e foi mandado para casa; Marquez mandou o [Simone] Corsi em Valência… no tempo das Moto2.

O nosso não deve ser um desporto de contacto. Ele aponta entre a perna e a moto, como fez hoje com o Aleix Espargaró, para te atirar para fora da pista. Isso acontece a 220 km/h, magoamo-nos, é perigoso. Eu tenho medo. É preciso fazer qualquer coisa para que ele se comporte como todos os outros. Todos nós na nossa carreira fomos agressivos e cometemos erros, e batemos noutros pilotos, mas car*alh*, foi um fim-de-semana! Estamos a falar de quê? Eu tenho medo de correr com ele estou à espera que aconteça qualquer coisa para que ele não o volte a fazer.

Má fé

Achas que é má fé ou inconsciência…

Para mim são as duas. Não acredito que seja apenas inconsciência. É má fé, porque se tu vais contra outro e o empurras para fora da trajectória, sobretudo hoje que a pista estava meio molhada, sabes que ele ou cai ou pelo menos vai perder dois segundos e não pode voltar a atacar-te na travagem seguinte. Mas é justo? Isto é um desporto de contacto? É justo que um use a sua moto para ir contra a tua perna e colocar-te fora de pista? É perigoso. Uma coisa é o futebol, um jogador faz uma falta, aqui magoamo-nos. Eu tenho medo.

(pergunta imperceptível)

Não sei. Espero que a Direcção de Corrida faça qualquer coisa para que ele se comporte como todos os outros. Tudo bem ser agressivo, mas contra quantos bateu ele hoje? O problema é um. Nenhum dos outros é tótó. Jack Miller, ou eu, ou… sabemos fazer aquilo, se tivermos que fazer. Ou o Iannone, ou qualquer um dos outros… mas então? Se começarmos a fazer todos assim, dentro de cinco corridas já não corre mais ningu´ºem porque estão todos lesionados.

Isso é assunto para a Comissão de Segurança ou estas coisas devem ser resolvidas mais acima?

Falei com o Mike Webb e disse-lhe exactamente aquilo que vos disse aqui. Agora veremos o que vão fazer… não sei o que sucederá, mas eu não me sinto protegido do Marquez pela Direcção de Corrida. Porque o Marquez faz o que car*lh* quer! Na grelha de partida todos viram o que aconteceu. Se a tua moto se cala vem um calmeirão pega em ti e põe-te fora da grelha. A ele não fizeram nada. Se têm feito o que deviam ter feito, não tinha acontecido toda esta confusão. E depois viste que na sua recuperação foi batendo em todos os que encontrou.

«Não tem colh*es para vir sozinho»

Neste momento estás disposto a aceitar as suas desculpas…?

Não, sinceramente, ele deve ficar muito longe de mim, não me olhar mais na cara, e chega. Não é vir pedir-me desculpa com o manager e o manager da Honda. Não tem colh*es para vir sozinho ao meu escritório. Fê-lo ali perante as câmaras. Eu uma vez fui pedir desculpa ao Stoner,mas foi uma vez. Pelo menos o respeito de ficar longe.

(pergunta imperceptível)

Ele estava a rodar um seguindo mais rápido do que eu. Eu não estava forte. Então porque não ultrapassar-me na curva seguinte? Ele veio de propósito contra mim, contra a minha perna, contra a minha moto, para me empurrar para fora da trajectória, e se eu caísse ficava ainda mais feliz. Quando ele faz… eu rio-me, porque é demais. Eu não tenho qualquer relação com o Marquez depois de 2015, por isso não muda nada, digo apenas olá, porque é mais fácil, perco menos tempo. Se ele não me respeita, eu não o respeito. Mas o respeito é outra história. É algo entre tu e eu. Ok? Isto é perigoso. Ele vai contra o Aleix Espargaró a 200 km/h. Se lhe toca no guiador, ele cai, pode ir contra o muro. Porque é que temos que correr assim. Somos MotoGP, o topo das motos.

Aqui, o que Marquez diz disto tudo

Se toda a gente começar a comportar-se assim, é como um destruction derby, e se calhar só ele chega ao fim. Para mim, como disse, eles têm grandes responsabilidades. Têm que fazer alguma coisa, porque Marquez seja como os outros pilotos. Porque senão o jogo não funciona.

«Ele joga sujo»

Qual achas que deveria ser a penalização?

Não sei. Quero falar com a Direcção de Corrida porque, sinceramente, não me sinto protegido pela direcção de corrida. E quando não te sentes protegido, tens que fazer a tua própria protecção, porque nada acontece. E na corrida seguinte, se nada acontecer, ele fará exactamente a mesma coisa. Apenas isto. Estou muito perturbado, porque sofri muito mas conseguia pontos importantes para o campeonato, e também não me diverti. Não me divirto quando tenho que lutar com ele. Porque ele eleva o nível, não joga limpo. Ele não joga agressivo, joga sujo.

O que pensaste quando ele veio à tua box para pedir desculpa, não aprecias satisfeito.

Foi uma piada. Primeiro, ele não tem bolas para vir sozinho ao meu escritório, veio, como sempre, com o seu manager, com o manager da Honda, em frente das câmaras, porque é isso que importa para ele. Ele não se importa contigo. Ele não se importa. Eu não quero falar com ele, não quero vê-lo ao pé de mim, porque sei que ele não é verdadeiro no que me diz.

Aceitas as suas desculpas se ele vier pedi-las?

Ele não vem, ele não vem. Espero que ele seja suficientemente esperto para não vir.

(início da pergunta imperceptível) momentos semelhantes em que ele parece ter saído pior do que tu hoje, mas parece que hoje sentes que foi diferente. Achas que foi mais deliberado?

Para mim o problema foi que ele começou na sexta-feira com o Maverick, nos treinos livres. Ele largou os travões e foi direito ao Maverick. Felizmente o Maverick viu-o e levantou a moto, senão caía. Porquê? Porque é que a Direcção de Corrida não foi direita ao Marquez e lhe perguntou porque é que ele faz isso? Uma vez pode acontecer, mas f*da-se, cinco vezes num fim-de-semana é de propósito.