GP da Argentina: caótico e dramático

181
GP da Argentina
Onde estão todos?

Após duas corridas animadas de Moto2 e Moto3, outro tipo de emoções foram despertadas na corrida de MotoGP na Argentina.

Tudo começou com o caos na partida. Choveu depois da corrida de Moto2, mas a pista argentina não ficou completamente molhada. Jack Miller saiu logo para a grelha com slicks. Valentino Rossi saiu para a volta de reconhecimento com slicks; mas em vez de ir para a grelha regressou à box. Trocou para a moto que tinha pneus de chuva e foi para a grelha. Como chuviscava quando os pilotos se dirigiram para a grelha, toda a gente montou pneus de chuva.

De repente, a cinco minutos da partida, primeiro um a um, e depois aos magotes, os pilotos abandonaram a grelha. Pilotos a correr, mecânicos a empurrar motos, todos a caminho do pit lane para trocar para a moto com slicks. Todos menos Jack Miller. Esse permaneceu na sua pole position. Com 23 pilotos a juntarem-se no final do pit lane, a Direcção de Corrida achou por bem adiar a partida, por ‘questões de segurança’.

GP da Argentina
Jack Miller sozinho na grelha

A moto de Marquez ‘calou-se’

Após 20 minutos de reunião improvisada entre a DC e os responsáveis das equipas, tomou-se uma decisão. Foi formada de novo grelha de partida, mas com cinco linhas de intervalo atrás de Miller, que foi o único a sair da sua posição correcta. Dani Pedrosa que devia estar na segundo lugar da primeira linha estava na 16.º posição da grelha, na sexta linha, e a seguir estavam todos os outros.

Com tudo pronto para finalmente ser dado o arranque, a moto de Marquez calou-se na grelha. Depois de ter levantado o braço, mas sem contar com ajuda, o espanhol empurrou a moto, que entrou logo de novo em funcionamento. Dois elementos da IRTA dirigiram-se a Marquez enquanto ele tentava regressar ao seu lugar na grelha. Marquez diz que perguntou se devia ir para o pit lane ou para a grelha, e quando um dos comissários da IRTA fez ok com o polegar direito, Marquez regressou à grelha. Mas fê-lo em cima da moto, com esta em funcionamento, em sentido contrário.

Se as coisas já estavam confusas, foi aqui que tudo descarrilou. A manobra do espanhol motivou uma penalização de ‘ride through’. Marquez já estava no comando quando foi notificado, e depois de a cumprir Marquez regressou à pista em 19.º.

Recuperação ‘à bruta’

Marc Marquez iniciou então uma grande recuperação, registando sete vezes a volta mais rápida da corrida. Pelo caminho Marquez fez umas quantas ultrapassagens mais agressivas, que lhe valeram mais penalizações. Uma delas foi a Aleix Espargaró, e por essa manobra teve que ceder uma posição. Depois foi a polémica ultrapassagem a Valentino Rossi, com o italiano a cair e Marquez a ser penalizado com 30 segundos a somar ao seu tempo de corrida. O espanhol cruzou a meta em 5.º, mas com a penalização desceu para 18.º.

No final da corrida tentou entrar na box da Yamaha para pedir desculpa a Valentino Rossi, mas foi impedido por Uccio Salucci. Valentino Rossi disse depois que nem o quer ver.

Com tudo isto estalou nova polémica, não só por causa do novo incidente entre Rossi e Marquez, mas também pelas decisões da Direcção de Corrida. Esta foi acusada de dualidade de critérios. Se Marquez foi penalizado em duas das ultrapassagens, porque não foram também Johann Zarco (que empurrou Dani Pedrosa no início da corrida e este acabou no chão) ou Danilo Petrucci (que abalroou Aleix Espargaró)?

Se os pilotos optaram por abandonar a grelha para trocar de moto, porque não sairam do pit lane? As regras dizem que os pilotos podem sair da grelha para trocar de moto trocar de moto, mas depois têm que ocupar a última posição da grelha de partida para o arranque. Com a grelha ocupada unicamente pelo detentor da pole position, a última posição da grelha é a segunda… esta regra funciona quando um ou dois pilotos deixam a grelha, não para 23 dos 24 pilotos.

Afinal ganhou Cal Crutchlow na Argentina

Assim, apesar de terem saído um pouco mais atrás na grelha de partida, sairam beneficiados. E com isso, o único piloto que se manteve impávido e sereno na grelha, a ‘secar’ durante 20 minutos, tendo feito originalmente a escolha certa de pneus, tem toda a razão para se sentir injustiçado. Mas Miller diz compreender: «Tiveram que tomar uma decisão difícil num momento de grande stress», disse o australiano.

Confusões e caos à parte, em pista houve uma grande corrida, com grandes lutas pelo pódio. No final foi Cal Crutchlow o vencedor, batendo Johann Zarco e Álex Rins. O piloto da Suzuki esteve sempre na luta e terminou com a conquista do seu primeiro pódio em MotoGP.

Jack Miller liderou durante tempo, mas um erro a sete voltas do final fê-lo passar de 1.º para 4.º e perdeu o contacto com os três primeiros.GP da Argentina

1. Cal Crutchlow – LCR Honda Castrol

«É bom vencer, mas era esperado, para ser honesto. Vim para este fim-de-semana a pensar que podai sair daqui com uma hipótese de ser primeiro ou segundo com o Marc, e acabámos por vencer. Estive confortável na batalha, senti que não corri riscos e fiquei com os pilotos que podia ter deixado se fosse preciso. Temos que estar agradados, a equipa fez um trabalho fantástico nas duas últimas corridas e acho que teria lutado pela vitória fosse qual fosse o circuito em que estivéssemos este fim-de-semana.»

2. Johann Zarco – Monster Yamaha Tech 3

«Foi uma corrida difícil, de um modo geral quando tivemos que escolher e a partida foi atrasada isso foi bom para todos os pilotos. Apenas o Jack escolheu slicks desde o início. Desde o início não havia muitas opções para a melhor trajectória, mas atrás do Dani senti que estava a ser bloqueado, por isso tentei a manobra, tentei ultrapassá-lo. Lamento que ele tenha caído. Hoje foi uma corrida muito difícil, quase caí. Dei o máximo desde o início até ao fim. Na luta com o Cal eu não queria cometer erros, por isso no final ele merece a vitória. Estou muito contente por ter conseguido este segundo lugar.»

GP da Argentina
Johann Zarco
3. Alex Rins – Team Suzuki Ecstar

«Estou muito satisfeito com esta corrida, porque não foi fácil e antes da partida eu estava nervoso devido ao atraso e tudo isso. Mas finalmente quando arrancámos, senti-me muto bem desde o início. Quando eu estava atrás do Miller pensei ‘ Ok, talvez tenha que o ultrapassar e ir-me’, porque me estava a sentir perfeito. Mas quando passei para o comando cometi um pequeno erro, a pista estava muito difícil com as manchas de água, especialmente fora da trajectória. Eu, a minha equipa e toda a gente no Japão tem trabalhado para conseguir uma moto competitiva, e conseguimos!»

GP da Argentina
Alex Rins
4. Jack Miller – Alma Pramac Racing

«Tenho que admitir que estou um pouco desapontado, porwque não consegui lutar pelo pódio depois de ter liderado a corrida tanto tempo. Cometi um erro que me custou muito. Mas para ser honesto, estou muito conente com este fim-de-semana e fizemos um trabalho incrível com a equipa. A decisão da Direcção de Corrida na grelha? Tiveram que tomar uma decisão difícil num momento de grande stress.»

GP da Argentina
Jack Miller