Dakar – 8.ª etapa: fotos e declarações

119
Antoine Meo e Toby Price

Esta foi a segunda parte da etapa maratona e foi também uma das etapas mais longas da prova, à semelhança da anterior.

Apesar de ter terminado em 7. Adrienn van Beveren mantém a liderança, mas agora com apenas escassos segundos de vantagem sobre Kevin Benavides, que entretanto vai chegar a casa, à Argentina, em território onde está à vontade.  Ainda por cima van Beveren perdeu um companheiro de equipa e uma potencial ajuda em caso de necessidade: o dia ficou marcado pelo abandono de Xavier de Soultrait, que sofreu uma queda e sofreu lesões no joelho e cotovelo, sem gravidade, mas que o impedem de continuar.

Fausto Mota terminou esta 8.ª etapa na 41.ª posição, sendo 47.º na geral.

A 9.º foi cancelada devido ao mau tempo e possibilidade de inundações, pelo que a caravana seguirá pela estrada até Salta, onde terá início, na terça-feira, a 10.º etapa deste Dakar.

1. Antoine Meo (6.º da geral): «Estou realmente contente com a minha prestação hoje. Desde o início o meu plano era puxar forte e tentar ganhar algum tempo aos líderes. Senti-me realmente bem, apesar das condições e da distância da especial, não cometi erros. Com a etapa de amanhã cancelada, isso coloca-me na indesejada posição de abrir a pista na terça-feira, nas dunas da Argentina. É sempre uma pequena desvantagem abrir as pistas assim, mas vou dar o meu melhor e ver onde posso terminar»

2. Ricky Brabec (8.º da geral): «Terminámos esta segunda parte da maratona em que não podíamos receber assistência. O tipo de etapa que tivemos hoje foi muito semelhante às corridas que temos na Califórnia, e senti-me muito confortável, muito mais do que ontem, que foi horrível para mim, porque não gosto de lama. Hoje houve troços rápidos e off-piste. O final da especial foi bom, em luta com o Antoine Meo. Vamos continuar a lutar ao longo dos próximos cinco dias. Em todos os três anos em que participei no Dakar houve etapas canceladas, não é nada de novo. Se é para nossa segurança, é bom.»

3. Toby Price (4.º da geral): «Foi uma longa etapa maratona; ontem foram 430 km e hoje 490, as duas mais longas do evento. Estou um pouco dorido depois destes cerca de 1000 km, mas aparentemente temos outro dia de descanso amanhã, uma vez que a etapa foi cancelada. Não me estou a queixar, vou poder usar esse tempo para recarregar, mas toda a gente tem o mesmo descanso e estaremos ansiosos por continuar na terça-feira. De um modo geral sinto-me bem e a moto é espectacular. Sei que as etapas na Argentina serão duras e há ainda muitos quilómetros por percorrer, mas estou numa boa posição e não tive quaisquer problemas. A ideia é manter a concentração e continuar a fazer o que temos estado a fazer.»

4. Kevin Benavides (2.º da geral): «Foi um bom dia. Comecei em terceiro e alguns quilómetros depois dei por mim a abrir a pista com o Adrian van Beveren, por isso praticamente rodámos juntos o dia inteiro. Juntou-se a nós o Toby Price e o Joan Barreda, que se tinha perdido e nos encontrou. Terminámos num grupo. Contive-me um pouco, sabendo que não ia fazer muita diferença. Estou contente com isso. Amanhã vamos para Salta, a minha cidade; quero mesmo ver a minha gente, a minha família e recarregar baterias.»

6. Matthias Walkner (3.º da geral): «Foi um par de etapas realmente difíceis. Ontem tivemos uma ligação de 300 km com apenas dois ou três graus de de temperatura ambiente. Toda a água da especial fez com que fosse muito perigoso puxar tanto quanto gostaríamos. Hoje a etapa não foi má, perdi um pouco nuam secção, mas consegui recuperar no final. A pior coisa dos cerca de 500 km foi ter rodado sozinho e isso torna difícil puxar por nós para conseguir um bom resultado. De qualquer modo, não cometi erros e o meu resultado foi bom, por isso estou contente. Estou ansioso pela Argentina, espero que as pistas sejam ao estilo do WRC, mais rápidas, dou-me muito melhor nesse tipo de terreno e acho que então posso começar a puxar.»

7. Adrien van Beveren (1.º da geral): «É óptimo que tenhamos mantido a liderança no final desta complicada fase maratona. A chuva, a lama e a altitude tornaram as coisas muito difíceis nestes três dias. Foi realmente extenuante fisicamente, mas consegui dois bons resultados nas etapas. Ontem fui 2.º e hoje consegui manter-me perto do grupo da frente. Durante grande parte das especiais de ontem e de hoje sei por mim a abrir a pista. Até agora tenho-me sentido muito bem na minha moto e também com a navegação. Consigo ser rápido sem cometer erros de navegação e isso é crucial também nas próximas etapas. Acredito que encaixei as peças do puzle e sei o que é preciso fazer nas próximas etapas.»