Dakar – 7.ª etapa: fotos e declarações

99
Joan Barreda

Esta foi a etapa com uma das especiais mais longas deste Dakar, 425 km, a somar aos 302 de ligação, levando a caravana de La Paz, após o dia de descanso, a Uyuni, naquela que foi a etapa maratona desta 40.ª edição do Dakar, o que significou ausência de assistência no final do dia.

A etapa voltou a ficar marcada pelo mau tempo, com muita chuva, e também pela queda Joan Barreda, que apesar do acidente foi o vencedor da etapa. No final receava não poder continuar, mas depois de ter passado pelo médico, confirmou que não tem nada partido e, apesar das fortes dores, vai tentar arrancar amanhã.

Fausto Mota terminou a etapa em 43.º e está na 53.ª posição da geral.

1. Joan Barreda (3.º da geral): «Esta a andar bem e tinha recuperado vários minutos quando no meio da tempestade saí do trilho, caí e a moto caiu-me em cima, acertando-me no joelho esquerdo. Os médicos observaram-me e disseram-me que não está nada partido, mas que tenho algum líquido no joelho. Vamos ver se o conseguem tratar e amanhã tentaremos arrancar e fazer a etapa, embora eu tenha visto estrelas quando coloquei o pé no chão nalgumas curvas.»

3. Kevin Benavides (2.º da geral): «Foi uma etapa muito dura; basicamente choveu durante todo o dia. No início havia muita navegação e dunas com vegetação, e foi muito difícil. Ao km 100 apanhei os pilotos à minha frente e abrimos a pista em conjunto até meio da etapa. Sabíamos que tínhamos perdido tempo porque fomos lentos na abertura da pista.  Depois começámos a atacar no final e recuperámos o ritmo. Esperamos terminar bem a etapa maratona amanhã.»

4. Toby Price (5.º da geral): «Hoje correu mesmo muito bem, consegui apanhar o [Antoine] Meo facilmente, mas depois não consegui fugir dele – estamos com motos iguais, com a mesma velocidade máxima, por isso acabámos a rodar juntos. Desde o km 80 houve alguma navegação complicada, por isso concentrámo-nos em chegar ao fim sem perder tempo. Havia muita lama, a primeira parte da etapa levou-nos directamente à lama, depois apanhámos piso mais duro,mas perto do final as coisas começaram a ficar molhadas de novo, o que torna a navegação mais difícil. É mais importante aproveitar o tempo e dispensar alguns minutos a fazer as coisas bem feitas do que acabar perdidos e desperdiçar meia hora. Estou, de um modo geral, contente com o modo como as coisas estão a correr, depois de não estar 12 meses em cima da moto as coisas ficam um pouco perras, não apenas a pilotagem, mas também a nossa capacidade de navegar. No entanto sinto que estou a recuperar o ritmo e isso faz-me sentir bem.»

Não há declarações dos pilotos da Yamalube Yamaha Official Rally Team nem da Rockstar Energy Husqvarna Factory Racing, só dos respectivos team managers:

Alexandre Kowalski (Yamalube Yamaha Official Rally Team): «Para nós foi uma dia de emoções mistas. Recuperámos a liderança da classificação geral com o Adrien [van Beveren] e isso foi realmente positivo para o resto da prova, mas ao mesmo tempo o Franco [Caimi] não pode continuar e tem de ficar de fora para o resto do rali. O Adrien fez uma etapa soberba hoje. Ele puxou do princípio ao fim e sem cometer erros conseguiu cruzar a meta em 2.º. O Adrien lidera agora a geral com mais de três minutos de vantagem.

«O Xavier [de Soultrait] cometeu um pequeno erro de navegação, com outros concorrentes, mas não foi nada de importante. Quanto ao Rodney [Faggoter] ele perdeu algum tempo a tentar ajudar o Franco, antes de continuar a sua corria e chegar ao bivouac. O Rod tem sido super-consistente até agora e continuará a ser uma peça-chave na equipa até ao final da corrida. Precisamos dele para ajudar o Adrien e o Xavier.»

Daniel Trauner (Rockstar Energy Husqvarna Factory Racing Rally Team): «Foi uma etapa dura, e estamos contentes porque os nossos dois pilotos chegaram ao bivouac da maratona em Uyuni. A etapa foi longa e com navegação difícil. Além disso, choveu e estava frio.  Amanhã teremos a especial mais longa e é bom que o Pablo [Quitanilla] arranque da 5.ª posição. Acreditamos que o Pablo vai conseguir puxar e recuperar tempo para os da frente amanhã. Ainda há muita corrida pela frente e tudo pode acontecer. O Pablo é forte física e mentalmente e isso é importante nesta fase da corrida.

«Quanto ao Andrew [Short], foi a sua primeira etapa maratona no Dakar e esteve bem. Chegou ao final da etapa e será importante para ele continuar tal como tem estado a pilotar e chegar ao final da etapa maratona amanhã.»