Dakar – 4.ª etapa: fotos e declarações

91
Partida em linha para a 4.ª etapa

Depois de ter vencido três vezes o Le Touquet e várias outras corridas de praia, pode dizer-se que Adrien van Beveren é um especialista na pilotagem na areia. E hoje colocou-a em bom uso, para vencer a quarta etapa do Dakar, naquela que foi uma dobradinha para a Yamalube Yamaha Official Rally Team, com o francês a assumir também a liderança da classificação geral, num dia marcado pelo abandono do então líder Sam Sunderland, devido a queda.

Foi uma etapa difícil e no final a classificação geral voltou a alterar-se, mas o seis primeiros estão separados por cerca de 10 minutos, e há ainda muitas dunas e areia nesta primeira semana de prova.

1. Adrien van Beveren: «Estou contente com a vitória nesta etapa. Começámos juntos na praia e eu estava no segundo grupo de pilotos que arrancou. Fez-me lembrar a partida do Le Touquet e foi muito divertido para mim. Sabia que tinha que tinha que manter-me concentrado na pilotagem e na navegação, e foi exactamente isso que fiz. Apanhámos algumas zonas em que havia muito pó. O meu objectivo era vencer, por isso sabia que tinha que ser paciente e atacar quando fosse possível. Tudo correu bem para mim e consegui passar muitos pilotos do primeiro grupo. Quando chegámos às grande dunas rodei ao lado do Xavier [de Soultrait] e na verdade ajudámo-nos mutuamente até ao final. Foi um grande dia para mim e para a Yamaha. Provámos que temos uma moto capaz de vencer longas etapas. Ainda há um longo caminho a percorrer, mas vou dar o meu melhor para manter este balanço.»

2. Xavier de Soultrait: «Fizemos uma grande etapa hoje. Comecei no primeiro grupo de pilotos. Consegui um bom ritmo desde o início e depois a meio da etapa vi que o Adrien [van Beveren] estava mesmo atrás de mim. Rodámos algum tempo juntos e tentámos recuperar tempo. Dei o meu melhor para o tentar seguir e na verdade isto ajudou-nos no resultado final. Os últimos quilómetros foram verdadeiramente rápidos e diverti-me muito com o Adrien. Trabalhámos arduamente durante a temporada para estar onde estamos agora.»

3. Matthias Walkner: «Foi um dia realmente duro. Não foi nada o que os pilotos esperavam depois da partida conjunta na praia. A navegação nas dunas a meio da etapa foi complicada e muitos pilotos perderam-se. Acabámos num grupo de talvez 15 pilotos, todos à procura de um waypoint. Finalmente conseguimos continuar, mas depois de termos perdido talvez 10 minutos para os pilotos da frente. As dunas foram especialmente difíceis hoje, havia muitas zonas macias e acabei por atascar quatro ou cinco vezes.  A dada altura pensei que já não conseguiria continuar, porque a moto estava tão enterrada. A última parte da etapa foi ok, consegui puxar e terminar em 3.º. Não é a melhor posição para arrancar amanhã, mas estou contente por ter terminado hoje. Espero que o Sam esteja bem depois da queda e que não se tenha magoado muito.»

4. Pablo Quintanilla: «Foi um dia duro, mas conseguimos sacar o melhor dele. Depois da partida conjunta esta manhã inicialmente pensámos que a navegação não ia ser tão difícil, mas estávamos enganados. Depois de alguns quilómetros percebemos que a navegação seria dura para todos, e as dunas de areia macia não iam tornar as coisas mais fáceis. Nestas condições é sempre difícil encontrar os waypoints e escolher as melhores linhas nas dunas. Mesmo assim, foi uma boa etapa para mim. Perdi alguns minutos entre os km 200 e 230, mas a corrida foi ok para mim. Sinto.me muito melhor agora do meu estômago a janei bem hoje. Amanhã será o último dia nas dunas peruanas, por isso tudo pode acontecer.. Sei que se mantiver a calma e a concentração podemos terminar estas etapas de areia com um bom resultado.»

5. Stefan Svitko: «Gostei muito da etapa de hoje, acho que fui 5.º. A partida foi à motocross, um grupo de 15 pilotos. Depois de 180 km o grupo estava dividido. Sofri duas pequenas quedas, mas isso é totalmente normal em dunas tão macias. Toda a gente caiu hoje. A minha moto está em excelentes condições e a minha equipa está a trabalhar muito bem. Estou contente com o modo como tudo correu e espero continuar assim nos próximos dias.»

Não há declarações oficiais de Sam Sunderland, que foi forçado a abandonar após uma queda – aparentemente em tudo semelhante à de Joaquim Rodrigues -, mas Alex Doringer, team manager da KTM, explica o que aconteceu: «Infelizmente o Sam teve um acidente hoje à procura dum waypoint cerca do km 230. Ele saltou para dentro de um buraco e comprimiu a coluna. Embora tenha conseguido continuar durante os cinco quilómetros seguintes, foi forçado a abandonar quando as dores pioraram. Inicialmente ele foi aerotransportado para o bivouac, mas depois foi transferido para o hospital em Lima para mais exames. Consegui falar com o Sam antes dele ter voado para o hospital e, embora desapontado, estava bem disposto. De ummodo geral, a equipa está a ter uma boa prestação, e estamos contente com o modo como nos está a correr a prova.»