Acidente de Nieto: relatório divulgado

472
Homenagem dos pilotos do Mundial a Ángel Nieto, no GP da República Checa

A equipa da Guardia Civil espanhola destacada para investigar o acidente de Ángel Nieto já terminou o seu trabalho, e no relatório divulgado conclui que o acidente ocorreu porque a condutora que lhe bateu não salvaguardou a necessária distância de segurança e Ángel Nieto sofreu uma grave lesão na cabeça porque usava capacete mas este não estava apertado, não servindo de protecção na queda.
O acidente – ocorrido a 26 de Julho em Ibiza – não foi fácil de reconstituir pelas autoridades, porque quer o quad conduzido por Nieto, quer o carro – um Fiat 500 conduzido por uma cidadã alemã residente há vários anos nas Baleares – já não estavam nas suas posições e não havia sinais de travagem; o embate não foi violento, porque os veículos envolvidos mal ficaram marcados: apenas alguns riscos no carro e nenhum dano perceptível no quad, diz o relatório citado pela imprensa espanhola (ver notícias aqui ou aqui).
A condutora alemã é acusada de ir a conduzir muito próxima da traseira do quad que, por seu lado, tinha os farolins traseiros enlameados. O acidente foi testemunhado por uma mulher portuguesa, que confirmou à polícia que os veículos circulavam muito próximos quando aconteceu o acidente. A condutora do FIAT 500 nega, dizendo que o quad travou de repente e como os farolins estavam muito sujos, não se apercebeu das luzes de travagem.
Pelos indícios, o impacto não foi muito forte, mas foi o suficiente para atirar com Ángel Nieto ao chão, e o facto de não ter o capacete devidamente apertado fez com este não tivesse cumprido a sua missão.
O 12+1 vezes campeão Mundial foi transportado em coma para o hospital, onde viria a falecer no dia 3 de Agosto.
Foi um infeliz conjunto de circunstâncias que levariam ao acidente e consequente falecimento do popular piloto aos 70 anos de idade.
Nieto seria homenageado por todo o paddock do Mundial de Velocidade no Grande Prémio da República Checa, e mais tarde, já em meados de Setembro, cerca de 50 000 pessoas juntaram-se em Madrid para uma última despedida ao pioneiro da velocidade espanhola.